“É hora de olhar para a frente com coragem e esperança. Que possamos ser sustentados pela convicção de que na educação está a semente da esperança: esperança de paz e de justiça. Uma esperança de beleza, de bondade; uma esperança de harmonia social ”, afirma o Papa em uma vídeo-mensagem publicada na quinta-feira, 15 de outubro, durante um encontro na Pontifícia Universidade Lateranense de Roma sobre o Pacto Global para a Educação.

Sofia Lobos – Cidade do Vaticano

Na quinta-feira, 15 de outubro, às 14h30, horário da Europa Central, aconteceu um encontro na Pontifícia Universidade Lateranense de Roma sobre o Pacto Educacional Global. Durante esta iniciativa apresentada por Alessandro Gisotti, Diretor Editorial Adjunto do Dicastério para a Comunicação da Santa Sé, foi exibida uma mensagem em vídeo do Papa Francisco e outra da Diretora Geral da UNESCO, Audrey Azoulay, juntamente com testemunhos e experiências internacionais, buscando olhe para além da pandemia de forma criativa.

O evento foi organizado pela Congregação para a Educação Católica e transmitido pelo Vaticano News online em italiano, com tradução simultânea em inglês, francês, espanhol e português.

Em sua mensagem em vídeo, o Santo Padre explica que, ao convidar a iniciar esta viagem de preparação, participação e planejamento de um pacto educacional global, “jamais poderíamos imaginar a situação em que se desenvolveria”, pois “Covid-19 se acelerou e ampliou muitas das emergências e urgências que estávamos vivenciando e revelou muitas outras ”.


“Transforme o modelo de desenvolvimento”

No vídeo, o Pontífice destaca que esta situação despertou a consciência de que “devemos girar em torno do modelo de desenvolvimento”, da forma como nos desenvolvemos como sociedades, economias e como humanidade.

Apostando no poder transformador da educação, Francisco lembra que educar é sempre um ato de esperança “que convida à partilha e à transformação da lógica estéril e paralisante da indiferença; numa lógica diversa capaz de acolher a nossa pertença comum ”. E acrescenta:


“Também estamos cientes de que um caminho de vida precisa de esperança baseada na solidariedade e que qualquer mudança requer um caminho educativo, para construir novos paradigmas capazes de responder aos desafios e emergências do mundo contemporâneo, para compreender e encontrar soluções para as necessidades de. cada geração e para fazer a humanidade florescer hoje e amanhã “


Da mesma forma, o Papa assinala que a educação é uma das formas mais eficazes de humanizar o mundo e a história.


“A educação é antes de tudo uma questão de amor e responsabilidade que se transmite de geração em geração. A educação, portanto, é proposta como o antídoto natural para a cultura individualista, que às vezes degenera em um verdadeiro culto de si e no primado da indiferença. Nosso futuro não pode ser divisão, empobrecimento das faculdades de pensamento e imaginação, de escuta, de diálogo e de compreensão mútua. Nosso futuro não pode ser este. Hoje é necessária uma etapa renovada de compromisso educacional, que envolva todos os componentes da sociedade ”.


Nesse sentido, Francisco refere-se a “um caminho compartilhado, no qual não se fica indiferente ao flagelo da violência e dos maus-tratos infantis, ao fenômeno dos namorados e crianças-soldado, ao drama das crianças vendidas e escravizadas”.


Chamada para “assinar o pacto”

Da mesma forma, o Santo Padre lança um apelo especial, “a todas as partes do mundo, aos homens e mulheres da cultura, da ciência e do esporte, aos artistas e aos trabalhadores da mídia, para que eles também assinem este pacto e, com seu testemunho e seu trabalho , promovam os valores do cuidado, paz, justiça, bondade, beleza, acolhimento do outro e fraternidade ”.

“Não devemos esperar tudo de quem nos governa, seria infantil” – afirma o Papa – “gozamos de um espaço de corresponsabilidade capaz de iniciar e gerar novos processos e novas transformações. Devemos ser parte ativa na reabilitação e apoio às sociedades feridas ”.


Compromisso pessoal e conjunto

Por isso, o Pontífice destaca que o que atualmente necessitamos é a “capacidade de harmonizar” e convida a todos a aderir a este Pacto Educacional Global, comprometendo-se pessoal e conjuntamente a:

  1. Colocar a pessoa, o seu valor, a sua dignidade no centro de qualquer processo educativo formal e informal, evidenciando a sua especificidade, a sua beleza, a sua singularidade e, ao mesmo tempo, a sua capacidade de se relacionar com os outros e com a realidade que o rodeia, rejeitar aqueles estilos de vida que favorecem a disseminação da cultura do desperdício.
  2. Ouvir a voz das crianças e dos jovens a quem transmitimos valores e conhecimentos, para construirmos juntos um futuro de justiça e paz, uma vida digna para cada pessoa.
  3. Incentive a plena participação das meninas na educação.
  4. Veja o primeiro e indispensável educador da família.
  5. Educar e educar-nos para acolher, abrindo-nos aos mais vulneráveis ​​e marginalizados.
  6. Comprometemo-nos a estudar para encontrar outras formas de compreender a economia, a política, o crescimento e o progresso, para que estejam verdadeiramente ao serviço do homem e de toda a família humana na perspectiva de uma ecologia integral.
  7. Salvaguardar e cultivar a nossa casa comum, protegendo-a da exploração dos seus recursos, adoptando estilos de vida mais sóbrios e procurando a utilização integral das energias renováveis ​​que respeitem o ambiente humano e natural, seguindo os princípios da subsidiariedade e solidariedade e da economia circular.

A Doutrina Social: um ponto de referência

Em suma, o Papa sublinha que queremos comprometer-nos com coragem «a dar vida, nos nossos países de origem, a um projeto educativo, investindo as nossas melhores energias e iniciando processos criativos e transformadores em colaboração com a sociedade civil».

E para isso, Francisco assegura que neste processo, um ponto de referência é a “Doutrina Social” que, inspirada nos ensinamentos da Revelação e do humanismo cristão; oferece-se como uma base sólida e uma fonte viva para encontrar os caminhos a seguir na atual situação de emergência.

Antes de se despedir, o Papa aponta um ponto fundamental, já que as grandes transformações não se constroem sobre a mesa:


“Há uma« arquitetura de paz »em que intervêm as várias instituições e pessoas de uma sociedade, cada uma segundo a sua competência, mas sem excluir ninguém. É assim que devemos continuar: todos juntos, cada um como é, mas sempre olhando juntos para a frente, para esta construção de uma civilização da harmonia, da unidade, onde não haja lugar para esta pandemia virulenta da cultura do desperdício ”


Fonte: https://www.vaticannews.va/es/papa/news/2020-10/papa-francisco-videomensaje-pacto-global-educativo.html

Categories:

Tags:

No responses yet

Deixe um comentário